Inscreva-se agora

Pendrive bootável Linux: Passo a passo completo para instalação

Criar um pendrive bootavel Linux vai te permitir a instalação desse sistema operacional open source, seguro e com atualizações fáceis. Seguindo alguns passos simples você aumenta sua produtividade e diminui os problemas como máquina lenta ou travada no ponto de vista de desenvolvimento.

Pendrive bootável Linux: Passo a passo completo para instalação
Compartilhar artigo
Criar pendrive bootavel Linux pode melhorar o processamento do programas que os desenvolvedores fizeram de uma maneira mais rápida.

O Linux é um sistema open source, ou seja, ele permite que qualquer desenvolvedor realize as modificações necessárias a fim de melhorar de sua performance no computador.

Dessa forma, o sistema operacional passa a ser uma ferramenta ideal para quem está aprendendo a programar pois, além de ter uma estrutura configurável, ele permite a realização de atualizações fáceis e sem restrições.

Neste artigo você vai entender um pouco mais sobre o que é um pendrive bootavel Linux, como criar um e conhecer os melhores programas para executar essa tarefa. Acompanhe a leitura!

O que é Linux? 


Antes de começar a falar sobre como fazer a criação do seu pendrive bootavel Linux é importante entender um pouco mais sobre este sistema operacional. 

O Linux é um sistema operacional que pode ser utilizado em desktops, notebook ou smartphone. Ao contrário de outros sistemas operacionais como o Windows ou o Mac OS, o Linux não foi criado para fins comerciais. 

Esse sistema que possui diferentes versões. Todas elas são construídas utilizando o mesmo núcleo Linux Kernel, um software de código aberto onde qualquer desenvolvedor pode editar as informações que deseja. 

Esse núcleo é o responsável por fazer a ponte comunicacional entre as aplicações e o hardware, assim como gerenciar todos os recursos do computador. 

Por que trocar Windows por Linux?

O primeiro ponto para essa mudança é o ganho na velocidade de processamento das requisições feitas pelo sistema. 

Existem versões Linux que possuem uma interface gráfica atraente e de fácil utilização que utilizam pouquíssima memória RAM. 

Além disso, como seu código é aberto, você tem a possibilidade de personalizar qualquer versão, melhorando ainda mais sua performance, assim como deixar o sistema do seu jeito.

A segurança é um ponto de destaque já que existe um baixo número de vírus realmente funcionais se observarmos o Windows. 

De maneira geral, o Windows é um sistema operacional que não contribui para que um desenvolvedor realize a construção de programas de maneira eficiente, pois ele acaba deixando a máquina lenta, já que o sistema consome muita memória e processamento para manter seu funcionamento.  

Já o Linux permite que o desenvolvedor tenha um alto grau de flexibilidade ao poder mudar as configurações centrais do sistema operacional.

Afinal, o que é um pendrive bootavel Linux?


O pendrive bootavel Linux é o responsável por controlar a inicialização do seu sistema operacional antes que ele inicie a partir do disco rígido.
 

Como o próprio nome diz, ele é um pendrive capaz de armazenar o pacote de instalação de um sistema operacional que normalmente fica instalado em sua máquina. 

Depois de criado com sucesso, você pode acessá-lo na BIOS (Basic Input/Output System, ou Sistema Integrado de Entrada e Saída) do seu computador, que por sua vez pode ser encontrado apertando os comandos de ativação da mesma. 

Esse comando de ativação varia de computador para computador, mas geralmente são algumas dessas teclas: F2, F8, F12, Del ou Esc. 

Depois de aparecer as opções da BIOS, você deve buscar pelos dispositivos boot e selecionar seu pendrive. 

Pra que serve um pendrive bootavel?


O processo de formatação tradicional de um desktop ou notebook é feito a partir de um CD/DVD de instalação. 

Essa mídia contém as informações necessárias que um programador precisa para modificar e atualizar seu sistema operacional completo. Nesse processo, normalmente todos os arquivos armazenados na máquina são apagados e/ou restaurados. 

No entanto, muitos computadores, principalmente os notebooks mais modernos, não possuem entrada para CD/DVD. Desse modo, utilizar o recurso tradicional se torna inviável. 

É nesse momento que o pendrive bootavel Linux entra. Sua criação e utilização é totalmente virtual e não precisa de mídias externas para seu funcionamento.  Além do fácil manuseio, a formatação via pendrive é consideravelmente mais rápida, já que o computador pode acessar as informações necessárias direto da fonte. 

Como criar pendrive bootavel Linux é fácil?


Você pode compilar as informações de instalação para qualquer tipo de sistema operacional. Os passos são muito parecidos alterando apenas algumas particularidades. 

De maneira geral, você precisa seguir 3 passos principais para criar seu pendrive bootavel Linux. Veja a seguir os quatro passos para criar um pendrive bootável Linux:


01: Escolha sua versão do Linux


Pode parecer uma etapa óbvia, mas ela é essencial para o sucesso da criação de seu pendrive bootavel Linux. 

Como você já sabe, o Linux é um sistema que dispõe de muitas versões diferentes e por isso cada uma tem funções únicas que devem ser consideradas. 

Além disso, você também deve observar alguns pontos importantes:

As versões mais utilizadas são a Ubuntu, Debian e Linux Mint.

Linux Ubuntu


Desenvolvida pela empresa africana Canonical, o Ubuntu é um dos sistemas operacionais mais populares e completos atualmente.

Ele utiliza o Unity, uma interface ambiente que é feito simplesmente por uma barra de tarefas localizada no canto esquerdo da tela e um painel alocado na parte superior. 

Normalmente o lançamento de suas atualizações acontecem de 6 em 6 meses. As novidades são de fácil identificação, já que o número das versões recebem os dígitos do ano e mês.

Apesar de sua interface ser diferente de outros sistemas operacionais e versões do Linux, o que pode causar certo estranhamento, o Ubuntu é muito fácil de usar e possui um ótimo reconhecimento de hardware. 

Linux Debian

Essa versão tradicional do Linux é uma das mais antigas disponibilizadas. O Debian pode ser instalado numa variedade de computadores que usam desde processadores Intel (mais tradicionais) até amd64 ou s390x.

Está também é uma das versões mais estáveis lançadas, pois existe um compromisso em manter o bom funcionamento do software. No entanto, se você quiser, também é possível baixar e utilizar sua versão de testes. 

O destaque realmente fica por conta do bom gerenciamento de pacotes que a versão possui
. Um ponto negativo é a disponibilização de programas desatualizados.

Linux Mint


Essa versão foi construída baseada nas duas anteriores. Trazendo uma interface elegante e que permite uma utilização confortável, a versão irlandesa do sistema Linux tem suas próprias ferramentas e é totalmente gratuito. 

A principal novidade em relação às outras é a possibilidade de incluir drivers e codecs em modo gráfico, o que nas demais só é possível por texto. 

No entanto, seu destaque fica por conta pelo design atrativo de sua interface simples.

02: Fazer o download da imagem ISO


Depois de escolher a versão do Linux no qual você deseja criar seu pendrive bootavel Linux é o momento de baixar a ISO de instalação. 

Esse elemento é distribuído gratuitamente nos sites oficiais de cada versão. 

No momento em que estiver navegando na página do sistema operacional escolhido, observe quais são as configurações e requisitos de hardware necessárias para garantir que seu sistema funciona de maneira adequada. 

O que é imagem ou arquivo ISO?

Ao contrário do que muitos pensam, a imagem ISO não contém características de uma imagem. Essa é uma extensão capaz de agrupar grandes aglomerados de arquivos garantindo seu bom funcionamento. 

O nome “imagem” se dá pelo fato de  você conseguir realizar cópias desses arquivos sem prejudicar a usabilidade. Já o nome ISO (Organização Internacional de Padronização ou International Organization for Standardization, em inglês) é derivado do conjunto ISO 9660, muito utilizado em mídias de CD-ROM. 

No entanto, ao longo do tempo esse conceito se expandiu e hoje é possível agrupar outros tipos de arquivos. 

Também é importante frisar que esse tipo de extensão não tem a capacidade de comprimir nenhum material.

 Diferente da extensão .ZIP, o tamanho do arquivo agrupado em iso será exatamente o mesmo da versão desagrupada. 

Caso você deseje criar sua própria imagem ISO, poderá utilizar ferramentas como Free DVD ISO Burner ou Free ISO Creator, ambos os softwares são gratuitos. 

03: Formatar o pendrive


O terceiro passo talvez seja um dos mais simples até agora, mas não deixa de ser menos importante. 

Formatar seu pendrive, além de deixá-lo com capacidade máxima de armazenamento disponível, também vai contribuir para facilitação da leitura da imagem ISO que você baixou anteriormente. 

Depois do pendrive conectado a sua máquina, verifique se já existe algum arquivo importante nele e faça a transferência para outra mídia segura, pois após a formatação, tudo nele será apagado. 

Formatando um pendrive no Windows

Para quem utiliza o sistema operacional Windows no PC, pode seguir esses passos para fazer a formatação completa do dispositivo de armazenamento externo. 

  1. Conecte seu pendrive na máquina;
  2. Aperte a tecla de “janela” do seu teclado;
  3. Clique em “computador”;
  4. Encontre seu dispositivo e clique sobre ele com o botão direito do mouse; 
  5. Selecione “formatar”; 
  6. Ao abrir a caixa de diálogo você pode selecionar o sistema de arquivos em FAT32 ou NTSC (fique a vontade para selecionar o que preferir);
  7. Nas opções de formatação pode selecionar “formatação rápida”;
  8. Depois da formatação concluída seu pendrive estará pronto para gravação dos arquivos do novo sistema operacional. 

Formatando um pendrive pelo Mac

Nos computadores que usam o macOS o procedimento é um pouco diferente, mas segue a mesma lógica. Veja o passo a passo:

  1. Com o pendrive conectado a sua máquina vá para o “utilitário de discos” apertando as teclas Cmd + espaço e escrevendo “utilitário de discos”.
  2. Depois encontre sua mídia de armazenamento externo conectado a sua máquina; 
  3. Na barra de opções superior, clique em apagar; 
  4. Quando a caixa de diálogo abrir, selecione a opção “MS-DOS (FAT)” no campo de formato; 
  5. Adiciona o nome ao seu pendrive e clique em apagar;
  6. Depois é só aguardar a formatação ser concluída. 

Formatando um pendrive no sistema Linux

O processo para formatação da sua mídia flash USB no Linux é um pouco diferente dos outros sistemas mencionados acima. 

No entanto, ele se mantém a mesma para qualquer versão que você esteja utilizando (Ubuntu, Debian…). 

Veja como fazer seguindo as orientações abaixo: 

  1. Como pendrive conectado a sua máquina, pressione as teclas Ctrl + Alt + T para abrir o terminal;
  2. Em seguida execute o comando $ mount. Normalmente a partição do penDrive é apresentada como /dev/sdb1
  3. Depois de identificar seu dispositivo, é necessário fazer a desmontagem do pendrive. 

Caso contrário o sistema pode apontar que o arquivo está em uso. Para isso você pode usar o comando:

$ sudo umount /dev/sdb1

Perceba que a parte final (/dev/sdb1) é o diretório e o dispositivo localizado anteriormente; 

  1. Em seguida você pode usar o comando “$ sudo mkfs -t vfat /dev/sdb1” para formatar; 
  2. Por fim, use o comando “$ sudo eject /dev/sdb1” para ejetar a mídia flash USB com segurança. 
  3. Pronto, seu dispositivo está preparado para se tornar um pendrive bootavel Linux. 

04: Gravar a Imagem

Agora que seu pendrive está pronto para receber os arquivos ISO, é hora de começar o processo de gravação. 

Para essa tarefa você vai precisar do auxílio de um programa feito para esse tipo de operação. Atualmente existem diversas plataformas com esse intuito. 

Cada uma se comporta de maneira diferente e se adequa a distintos tipos de sistemas operacionais. 

Portanto, é preciso estar atento em alguns detalhes para facilitar seu processo de criação de um pendrive bootavel Linux. 

A seguir listamos os 7 programas mais usados e adequados para a conclusão da etapa de gravação da imagem ISO em seu dispositivo de armazenamento externo, junto ao passo a passo de utilização de cada um deles.

Acompanhe a leitura! 

7 programas para criar um pendrive bootável Linux


Saber os comandos Linux é muito importante para qualquer desenvolvedor que deseja criar um pendrive bootavel Linux, pois isso além de facilitar no momento da criação, também aumenta seu leque de conhecimento. 

No entanto, para aqueles que não desejam se aprofundar nesse conhecimento agora, pode se aventurar na utilização de alguns programas seguros e fáceis de manusear. 

A maioria deles utiliza uma interface gráfica bem intuitiva e dinâmica, otimizando o trabalho no processo de gravação da imagem ISO. 

Você também encontra alguns canais no Youtube que ensinam programação e também falam desses sistemas.  

Conheça alguns desses programas a seguir!

01: Rufus


Esse é um programa gratuito que pode ser executado no sistema operacional Windows a partir da 7° geração, Linux e macOS. 

Muito utilizado entre os desenvolvedores, o Rufus é um dos programas mais rápidos para a tarefa de formatação e criação de uma mídia externa bootavel

Apesar de ser potente, seu arquivo de instalação não passa de 1.1MB, o que é uma maravilha para aqueles que têm uma conexão de internet ruim ou pouca memória interna. 

O programa suporta mais de 36 idiomas. O mais interessante é que você não precisa instalar o software na sua máquina, ele possui uma assinatura digital que o permite apenas ser executado. 

Atualmente o Rufus aceita mais de 40 tipos de imagens ISO diferentes, o que o torna um programa bem versátil. 

Gravando uma imagem ISO com o Rufus

Sem muitos segredos, fazer a gravação da imagem ISO utilizando o Rufus é bem simples. 

Depois de ter feito as etapas mencionadas acima (escolher a versão Linux que deseja salvar, baixar imagem ISO e formatar pendrive), você pode seguir os passo abaixo:

  1. Baixe o programa em seu site oficial
  2. Abra o software e clique em “dispositivo” e selecione o pendrive a ser gravado; 
  3. No canto lateral direito clique em “selecionar” perto da opção “seleção de Boot”;
  4. Na caixa de diálogo, escolha a pasta com a imagem ISO baixada;
  5. Depois clique em iniciar. O Rufus vai fazer uma nova formatação antes de efetuar a gravação e por isso deve aparecer uma caixa de aviso, basta aceitar;
  6. Aguarde o procedimento ser concluído e pronto, seu pendrive bootavel Linux foi criado com sucesso, basta removê-lo com segurança da máquina. 

02: YUMI


O YUMI (Your Universal Multiboot Installer ou Seu instalador de inicialização múltipla universal em português) também tem um funcionamento bem simples. 

Ao contrário do Rufus, ele só pode ser executado no sistema operacional Windows. No entanto, seu diferencial é o suporte ao multiboot USB. 

Isso permite que o usuário realize a gravação de múltiplos sistemas operacionais, antivírus e outros softwares no mesmo pendrive. 

Outra vantagem do programa é que ele já disponibiliza os links das principais imagens ISO utilizadas no mercado, o que facilita a vida do usuário no momento da criação de seu pendrive bootável Linux. 

Criando um pendrive bootável Linux com o YUMI

O processo de gravação da imagem ISO, embora seja simples, ao utilizar o YUMI é preciso estar atento, pois, por ser multiplataforma, ele possui mais opções que os demais programas.

Veja como criar um pendrive bootavel Linux a seguir:

  1. Baixe o arquivo EXE no site oficial do programa; 
  2. Com o pendrive conectado a máquina, execute o software dando dois cliques sobre ele; 
  3. Encontre sua mídia USB no campo “Step 1: You Selected as your USB Device”;
  4. Selecione a versão do Linux que deseja gravar no campo “Step 2: Ubuntu Selected”.  Se você quiser, pode marcar a caixinha “download link” que vai abrir uma aba para fazer o download da imagem ISO automaticamente;

  5. Depois clique em “Browse” na lateral direita para encontrar o arquivo ISO no seu computador; 
  6. Por fim, clique em “Create” e aguarde a gravação ser concluída.

03: Universal USB Installer


O Universal USB Installer é um versão simplificada do YUMI. O software é compatível com o Windows XP, Vista e 7.

Assim como os programas anteriores, sua utilização não tem muitos segredos e o programa é bem intuitivo. 

Embora ele seja da mesma família do YUMI, o programa não é multiboot e portanto seu uso se resume a apenas gravação de imagem ISO. 

Durante seu processo de gravação, você pode seguir atalhos para escolher a versão mais adequado deste sistema operacional. 


Criando um pendrive bootavel Linux com o Universal USB Installer

  1. Baixe o programa no site oficial e o execute. Não se esqueça de aceitar os termos de licença do software; 
  2. Com o pendrive conectado a sua máquina, selecione a distribuição Linux no “Step 1”;
  3. No “Step 2” procure e selecione a imagem ISO clicando no botão “Browse”; 
  4. No terceiro passo (Step 3), selecione sua mídia USB. Caso não encontre entre as opções disponíveis você pode buscá-lo clicando na caixa de seleção “Show All Drives”;

  5. Se for necessário, você pode selecionar a caixa “format” para o programa fazer a formatação da sua mídia antes de começar a gravação. Uma caixa de diálogo deve abrir e basta você clicar em “NOTE”;
  6. Aguarde o procedimento ser concluído e você já pode remover seu pendrive bootavel Linux pronto para uso. 

04: LinuxLive USB Creator


O LinuxLive USB Creator (também conhecido pelo apelido LiLi), assim como alguns dos programas mencionados anteriormente, é bem fácil de utilizar e contém funcionalidades que vão além da gravação e criação de um pendrive bootável

Ele também faz os processos de formatação e desinstalação de uma imagem ISO do pendrive, assim como existe a possibilidade de gravar mais de um sistema operacional numa mesma mídia. 

A principal diferença dele fica por conta do seu visual colorido e chamativo, bem diferente dos outros programas que executa a mesma tarefa. 

Embora a ferramenta tenha um estilo gráfico peculiar, continua sendo bem intuitivo e com informações bem organizadas. 

É importante frisar que ele suporta quase todas as versões do Ubuntu e só pode ser executado no Windows. 

O download do arquivo EXE pode ser feito no site oficial do programa.  

Passo a passo para criar um pendrive bootavel com o LinuxLive USB Creator

  1. Baixar e executar o programa no Windows; 
  2. Selecione o pendrive que será gravado a imagem ISO;
  3. Mostre a fonte onde o software pegará o distro. 

Você tem opções: mídia CD/DVD que estiver no computador, imagem ISO armazenada na sua máquina ou fazendo o download de uma versão Linux naquele momento; 

  1. O quarto passo é selecionar a quantidade de armazenamento utilizada. No LiLi é chamado de “persistência” que se resume o espaço que ficará livre para você utilizar outras coisas no pendrive;

  2. Na quinta etapa você pode selecionar o que deve ser feito na sua mídia USB. As opções são: 
    3. Depois é só clicar no ícone de raio e aguardar a conclusão da gravação. 

05: Criador de Disco do Linux


Para os programadores em início de carreira que já usa o sistema operacional Linux pode fazer todo procedimento de criação do pendrive direto no sistema. 

Apesar dessa funcionalidade existir em todas as versões do sistema operacional, ele pode ser encontrado por diferentes nomes a depender da versão

Caso não encontre fazendo uma busca por “Criador de Disco Linux”, pode tentar a procura por “Gravador de Imagem USB” ou “Criador de disco USB inicializável”.

Para utilizar esse recurso não existe muito segredo. Ao acessar a interface do programa, basta selecionar a Imagem ISO que deverá ser gravada e o pendrive que irá receber a gravação. 

Depois é só aguardar o procedimento finalizar e remover o pendrive. Lembre-se de baixar a versão do Linux antes de fazer qualquer procedimento neste programa. 

06: UNetBootIn


O UNetBootIn é um software multiplataforma criado em 2009 e totalmente gratuito. 

Ele é muito parecido com o YUMI pois também permite que o usuário escolha a versão do Linux que deseja gravar em seu pendrive. Existe um leque de opções bem grande. 

Seu diferencial fica por conta da sua alta capacidade de compressão dessas imagens ISO, tornando o programa muito mais leve do que o seu “concorrente”. 

Ele precisa efetuar uma instalação e possui versões compatíveis com o macOS, Linux e Windows. 

O seu processo de gravação também possui algumas opções únicas desse software que pode ser um atrativo para os devs que desejam aprender coisas novas. 

Veja o passo a passo a seguir!

Criando um pendrive bootavel Linux com o UNetBootIn

  1. Depois de baixar e instalar o UNetBootIn na sua máquina, clique duas vezes sobre o atalho na barra de ferramentas para abrir; 
  2. Apertando em “distribuition” você pode selecionar a versão Linux que deseja gravar. Existem mais de 16 versões disponíveis; 
  3. Na opção “Diskimage” você deve informar o formato do arquivo: ISO ou IMG;
  4. A opção “custom” permite que você faça uma compilação das informações do próprio kernel, espinha dorsal de todas as versões Linux. Você pode pular essa etapa;
  5. Em seguida pode ir direto para “Type” e escolher o tipo de unidade que você fazer o procedimento: Unidade USB, Disco ou outros. 
  6. No “drive” escolha sua mídia; 
  7. Ao clicar em Ok, uma caixa de diálogo deve aparecer perguntando se o seu pendrive está vazio, é só marcar “Yes to all” e aguardar o procedimento ser concluído. 

Um dica importante para quem vai usar esse programa é remover todo tipo de mídia conectado no computador, pois eles podem interferir no processo de gravação. 

07: Etcher


O Etcher é uma ferramenta desenvolvida pela empresa americana Balena que disponibiliza um grupo de softwares que ajudam os desenvolvedores a construir, implantar e gerenciar frotas de dispositivos Linux conectados. 

Seu layout utiliza recursos minimalistas e sua tela inicial tem apenas 3 botões: 

As cores também são bem diferentes dos outros sistemas, ele utiliza tons mais escuros para compor seu gráfico de utilização. 

Ele é multiplataforma e no site oficial do programa você pode escolher a versão mais adequada para cada tipo de sistema operacional. 

O programa conta com uma versão gratuita e em breve terá o lançamento da sua versão pro que promete ser muito mais rápido, com expansão modular e gravação de diversos discos ao mesmo tempo. 

Qual o melhor Linux para pendrive?


A melhor Linux para gravar um pendrive é o Tiny Core pois uma de suas versões mais simples possui apenas 8MB e, portanto, consome pouca memória de armazenamento do seu pendrive. 

O Linux é um sistema operacional bem flexível e suas versões utilizam o Kernel como parte central do seu funcionamento. 

O Kernel por sua vez não ultrapassa o 100MB de tamanho, o que permite modificar o que for necessário para criação de versões mais enxutas. 

A versão Tiny Core é conhecida pelo conceito que envolve sua criação “The Core Project is a highly modular based system with community build extensions” que em português é “O Projeto Central é um sistema altamente modular com extensões de construção da comunidade”. 

Apesar do conceito chamativo, ele não possui uma interface gráfica muito atrativa, mas funcional. 

Gostou de saber mais sobre como criar um pendrive bootável Linux? Se inscreva no bootcamp de programação da Le Wagon e aprenda muito mais sobre programação. 



Deseja saber mais sobre o nosso curso de 9 semanas?
Continue lendo
Graduate stories

Como virei uma Nômade Digital

Conheça a história da Gabi, que trocou uma carreira de jornalista no Brasil pela de desenvolvedora em qualquer lugar do mundo

Learn to code

Por que o Le Wagon é considerado o melhor bootcamp do mundo.

Conheça o nosso tempero especial e o que fazemos para sermos considerado por tanta gente como o melhor bootcamp de programação do mundo.

Learn to code

Guia de carreira para programadores iniciantes

Este conteúdo é um guia de carreira para programadores iniciantes. Você conhecerá desde as iniciativas para se tornar um programador e alguns caminhos que podem acelerar seu aprendizado para entrada no mercado de tecnologia.

Go further illustration

Você tem interesse em estudar no bootcamp de programação número #1 do mundo?

Estamos em 40 ao redor do mundo

Laptop illustration